Av. Getúlio Vargas, 580. Setor Administrativo
Cep: 76240-000 - fone: (064) 3638-2475


 

 

Home
 
 

Revolta de Aragarças - O primeiro sequestro de avião do país


Ascom
Publicado Segunda-Feira, 4 de Dezembro de 2017, às 09:37 | Ascom

No último dia 2 de dezembro completou-se 58 anos do primeiro sequestro aéreo da humanidade, que aconteceu no município de Aragarças (GO).  Um grupo de cinco oficiais da Aeronáutica articulou o sequestro de um avião comercial com 40 passageiros para auxiliar no que ficou conhecido como "Revolta Veloso", um movimento de insubordinação comandado pelo Major Haroldo Coimbra Veloso, que montou base no aeroporto de Aragarças.

A intenção era montar uma resistência ao governo do presidente Juscelino Kubitschek. O sequestro começou às oito e meia da manhã do dia 2 de dezembro de 1959, quando o Major Eder Teixeira Pinto rendeu os pilotos e sequestrou o avião quadrimotor Constellation, da empresa Paner do Brasil, que fazia rota do Rio de Janeiro para Belém (PA). O avião foi desviado até o aeroporto de Aragarças, onde o comandante da rebelião, Major Veloso, aguardava com mais quatro oficiais da Aeronáutica e com dois aviões C-47 da FAB que estavam sendo utilizados no movimento.

Os passageiros foram retirados e conduzidos ao Grande Hotel, construído para a Fundação Brasil Central, enquanto os militares esperavam mais reforços de Belo Horizonte, Rio de Janeiro e São Paulo que acabaram não vindo e frustrando a tentativa de golpe.

A comunicação era lenta naquela época, mas logo o governo foi informado do levante e o ministro da Guerra na época, Henrique Teixeira Lott, determinou a invasão do aeroporto para prender os militares revoltosos. Um grupo de pára-quedistas do Exército chegou de surpresa no aeroporto e bombardeou um dos aviões, e assim os revoltosos tiveram que se entregar.

O levante não conseguiu adesões. O político Carlos Lacerda, considerado um aliado do movimento, não apoiou os rebeldes e ainda os denunciou ao Ministro da Guerra. Os insurgentes ficaram isolados e a rebelião foi sufocada em apenas 36 horas. Os líderes fugiram de avião para o Paraguai, Bolívia e Argentina, e só retornaram ao Brasil no governo Jânio Quadros.